Fundamental no titulo de 2019 Richarlison quer o bi

Fundamental no título de 2019, Richarlison quer o bi da Copa América

Aos 44 minutos do segundo tempo, no dia 7 de julho de 2019, Richarlison entrou para a história da Seleção Brasileira. O camisa 7 cobrou pênalti no canto direito de Gallese e fez o terceiro gol na vitória por 3 a 1 sobre o Peru, garantindo o título da Copa América no Maracanã, no Rio de Janeiro.

Dois anos e três dias depois, o atacante volta a entrar em campo no “Maior do Mundo” na decisão continental pela amarelinha, no próximo sábado (10), contra a Argentina. Desta vez, Richarlison vai começar e terá mais tempo para fazer a diferença. Mais um desafio na carreira do “Pombo”, que garante não sentir o peso da camisa.

“Minha vida foi de desafio. Desde quando eu fui para a Europa, nem eu acreditava que ia ficar tanto tempo lá. Quando cheguei na Europa comecei a ganhar maturidade, experiência, peguei bons treinadores que me ajudaram muito. Eu tenho essa bagagem e quando eu cheguei na seleção já sabia o que queria. Todos falam que a camisa da seleção pesa para alguns, mas para mim não pesou. Agradeço aos meus companheiros, sem eles a minha confiança não estaria tão alta. Aqui tem um elenco muito bom e isso facilita para poder jogar”, disse o camisa 7 em entrevista coletiva virtual realizada pela CBF nesta quinta-feira (8).

O adversário na nova final é diferente de 2019. A rival deste sábado (10) será a Argentina de Messi, seis vezes eleita a melhor jogadora do mundo. Richardison sabe que não será fácil.

“Até pela rivalidade que tem aqui na América do Sul. Do outro lado tem grandes jogadores, o melhor do mundo. A gente sabe da dificuldade que é enfrentar a Argentina. Não só de agora, vem do passado também, mas vamos para lá para sermos campeões”.

Conhecido pela espontaneidade fora de campo, Richarlison não hesitou quando questionado, em entrevista coletiva, o que pensa das provocações entre os jogadores das seleções que disputam a Copa América, em especial Arturo Vidal. O chileno postou uma mensagem em seu Instagram dizendo que o Brasil estava de joelhos e aguardaria uma revanche nas eliminatórias da Copa de 2022, só que sem ajuda.

“Provocação de lá, provocação de cá, mas, dentro de campo, a gente sabe que o bicho pega. A gente dá conta do recado, não vai falar por falar. Tem que falar e botar dentro de campo, tem que ganhar todos os jogos e é o que a gente tá fazendo. A gente vai provocar, sim, vai acontecer, mas acho que o que vale mesmo são os três pontos dentro de campo e quem levantar a taça”.

Brasil e Argentina entram em campo no sábado (10), às 21h (horário de Brasília), no Maracanã. As duas últimas vezes que as seleções se enfrentaram na final da Copa América, foi o Brasil. Em 2004, no Peru, e em 2007, na Venezuela. Além da final, os argentinos querem uma revanche na semifinal de 2019, quando foram eliminados pela equipe de Tite por 2 a 0, no Mineirão, em Belo Horizonte.


PRÓXIMO ARTIGO →